Arquivo da tag: ubuntu

Canonical vai remover Java do sistema de usuários

A Canonical anunciou na semana passada que vai remover sistematicamente o Java do Ubuntu, deixando espaço para alternativas livres. A decisão tem base nos problemas de segurança encontrados nos pacotes JDK do Java, usados também em navegadores. Várias das vulnerabilidades foram descobertas em outubro e até hoje permanecem sem solução, oferecendo risco aos usuários. Dessa forma a Canonical achou mais fácil desabilitar o plugin e cortar o mal pela raíz.

As primeiras versões do Ubuntu a serem afetadas serão a 10.04 LTS, 10.10 e 11.04. A ideia envolve substituir os pacotes disponíveis atualmente no repositório de Parceiros com pacotes vazios. Assim, ao fazer a atualização, o próprio Ubuntu removeria todos os arquivos do sistema.

A Canonical já está alertando aos usuários para que migrem para OpenJDK e desinstalem o JDK da Oracle (caso eles o tenham baixado e instalado manualmente), ou eles poderão “experimentar falhas após a atualização dos pacotes”.

Marc Deslauriers, da Canonical, disse que eles podiam remover os pacotes dos repositórios e deixar os pacotes inseguros nos sistemas dos usuários, ou remover tanto dos repositórios, quanto dos sistemas, de forma remota. “Não há uma forma perfeita de lidar com isso”, ele disse, “mas infelizmente essa é melhor maneira de lidar com o problema e garantir que nossos usuários permaneçam seguros, ao custo de quebrar algumas instalações”.

Portanto, se você ainda não usa o OpenJDK ou o icedtea, é bom começar a se preparar, ou muito em breve terá problemas para acessar páginas que tenham código Java.

Por Paulo Graveheart

Fonte: IMasters

5 razões para dar uma chance ao Mandriva Linux

Nova versão da distribuição do sistema operacional de código aberto traz algumas ótimas novidades; sistema está mais amigável e flexível

O Ubuntu, da Canonical, pode dominar as manchetes do mundo Linux, mas o fato é que ele continua sendo apenas uma entre várias distribuições populares de desktop do sistema aberto e de código aberto.

Há pouco tempo escrevi sobre o Linux Mint – que é atualmente o segundo competidor mais popular, de acordo com a DistroWatch – mas outro participante importante desse jogo é o Mandriva, que agora ocupa o 10º lugar na lista da DistroWatch, logo atrás do Puppy Linux.

Seguindo o lançamento de sua segunda e última versão beta em abril, um novo lançamento principal do Mandriva foi lançado agora no domingo, 28/8. Chamado de “Hydrogen” (hidrogênio), o Mandriva 2011 pode ser baixado no site do projeto.

Se você está buscando uma alternativa para o mundo restrito de Mac vs. Windows, seguem abaixo cinco razões que explicam por que vale a pena dar uma olhada no mais recente lançamento (gratuito) do Mandriva.

1. O desktop KDE Plasma

Enquanto o Mandriva costumava incluir vários ambientes desktop e gerenciadores de janela – incluindo GNOME e Xfce – o projeto agora decidiu focar totalmente no KDE Plasma Desktop como seu único ambiente desktop oficialmente suportado.

“Essa concentração dos nossos esforços nos permitiu tornar o desktop do Mandrive a melhor distribuição baseada em KDE na indústria de softwares livres”, explicam os desenvolvedores do programa.

Como já havia notado, o KDE é uma opção de desktop muito popular e atraente, e muitas pessoas preferem-no do que qualquer outro. Mas aquelas pessoas que realmente querem usar o Mandriva com algo a mais ainda poderão fazer por meio de pacotes não oficiais ou distribuições preparadas por membros da comunidade.

2. Um novo tema gráfico

O antigo tema “Galaxy” do Mandriva agora foi substituído pelo “Rosa”, uma alternativa interessante em que a cor azul aparece de maneira predominante (sim, não faz sentido). Também estão inclusos no Rosa temas para cada componente da distribuição assim como um pacote de ícones originais e alguns papéis de parede novos.

3. Flexível e Amigável

A nova tela de início “SimpleWelcome” do Mandriva 2011 é desenvolvida para ser mais simples e acolhedora para novatos, enquanto seu utilitário TimeFrame permite encontrar arquivos por data, sem precisar lembrar onde os salvou.

O app StackFolder oferece acesso rápido a pastas usadas frequentemente, enquanto o RocketBar traz uma nova flexibilidade ao painel KDE padrão. Já o MandrivaSync é o serviço na nuvem do Mandriva, de forma parecida com o Ubuntu One; os usuários podem armazenar até 2GB de graça.

4. Um arsenal incrível

O Mandriva 2011 traz praticamente todos os softwares de que você vai precisar. Além do gerenciador de telas KDE, o KDM, há o gerenciador de arquivos Dolphin, o pacote de produtividade pronto para empresas LibreOffice 3.4.2, o cliente de microblogging Choqok, e o navegador Firefox 5.0.1 e o programa de e-mail Thunderbird 5.0.

O Shotwell substituiu o gerenciador de fotos DigiKam, e há o PiTiVi para edição de vídeos e o Clementine para músicas. Enquanto isso, o novíssimo Mandriva Package Manager destinado para eventual inclusão atualmente está disponível a partir do repositório para fins de testes.

Debaixo da “capota”, o Mandriva 2011 vem com o kernel 2.6.38 Systemd do Linux, RPM5 e X.Org 7.6 com X.Org X Server 1.10.3. Chips novos da Intel e Nvidia e placas gráficas da AMD e da ATI prometem melhorar o desempenho e estabilidade do sistema.

5. Fácil e de graça

No Mandriva 2011, um novo instalador permite instalar o sistema operacional gratuito em seu computador a partir do modo live. O processo de instalação também foi completamente revisado e simplificado enquanto consegue acomodar diferentes variações e configurações de sistema, de acordo com os desenvolvedores do projeto.

O Mandriva Desktop 2011 será suportado por um ano e meio. Baseado neste lançamento, uma versão LTS (Long Term Support) oferecendo três anos de suporte chega até o final do ano.

Se levarmos em conta especialmente toda a controvérsia em torno do Ubuntu 11.04 “Natty Narwhal” e seu desktop Unity – sem mencionar o igualmente controverso GNOME 3 – o Mandriva 2011 pode ser uma alternativa interessante. Também gosto bastante do visual de seu desktop KDE. E o melhor de tudo, obviamente, é que isso é Linux: gratuito e rápido de testar, altamente seguro, e livre para você customizá-lo da maneira que preferir.

Fonte: PcWorld

Fedora 16 Alfa está disponível para download

A versão alfa do Fedora 16 foi liberada ontem e trouxe várias novidades. Com o codinome Verne, o Fedora 16 Alfa já vem com o Kernel 3.0, a última versão de desenvolvimento do GNOME 3, e o KDE 4.7. Ou seja, é possível escolher entre dois grandes ambientes de desktop, além de baixar e instalar vários outros, como o XFCE.

Também há várias novidades do lado de servidores e desenvolvimento, como suporte a computação na nuvem e suporte ao Xen renovado. Dependendo da necessidade do usuário, pode ser muito mais interessante montar um servidor (ou até mesmo uma instalação Desktop para toda a empresa) a partir do Fedora, em vez de usar o Ubuntu.

Segundo o calendário de lançamento, além desse Alfa, haverá uma versão beta no dia 27 de setembro, e a versão final será lançada no dia 1º de novembro.

É válido lembrar que versões Alfha e Beta de distribuições e até mesmo de softwares não devem ser utilizados em ambientes de produção.

O download do Fedora 16 Alpha pode ser feito no site do projeto, e é possível ver as notas de lançamento na wiki que está sendo montada para a distro.

Fonte: IMaster