Arquivo da tag: templates

Porque Devo usar um Template Gratuito no Blog?

Fonte: Rogerio Gomes/WRG

Hoje entro na questão do por que muitas vezes é melhor usar um template simples e gratuito no blog do que botar na cabeça que um pago é sempre melhor.

Sim, um template pago têm suas diversas vantagens em relação a um tema gratuito, mas o contrário também prevalece, pois um tema gratuito também tem seus pontos fortes em relação ao template pago.

O Primeiro ponto é sem dúvida o Preço, afinal de contas, ele é Gratuito!

Esse, claro, é o ponto crucial já que não precisa desembolsar nada de inicio para usar o tema, nisso o jovem blogueiro economiza uma grana sem precisar ir atrás de um pago.

Em vez disso pode usar o dinheiro para registrar o domínio ou contratar um bom serviço de hospedagem, como é o caso da hostgator.

Mas porque escolher um Gratuito do que um Pago?

Existem templates gratuitos que são melhores do que um pago, e a necessidade vai depender de cada tipo de projeto. Uma coisa é fato, determinados templates gratuitos são extremamente simples e LEVES para carregar, e isso ajuda muito quando o assunto é a corrida maluca para chegar ao topo dos buscadores.

Se está começando e não tem verba para um template profissional, em vez de ficar chateado, procure pelo template mais simples (de preferência todo branco e sem recursos gráficos) e instale no blog.

Em muitos casos vale mais a pena prezar pela agilidade de carregamento e deixar o projeto mais propício para as visitas orgânicas, do que querer enfeitar com um template cheio de recursos, que se não for bem configurado pode acabar deixar o blog lento para carregar.

Analise o template do campeão do ultimo Concurso Mestre SEO!

Muitos tinham recursos, dinheiro, conhecimento e disposição para participar e te garanto, o concurso da MestreSEO deste ano foi mais pegado do que o ano passado. Ao analisar, tinha concorrência ate para brigar pela 15° página, rs, sim, isso realmente aconteceu.

Mas desde os primeiros resultados ate os últimos, o que mais eu pude observar entre os blogs era justamente o bom e velho template gratuito na maioria deles. E isso é pura e simplesmente uma questão estratégica pelo template ser simples e carregar mais rápido.

O Google adora sites que carregam rápido e não é à toa, o campeão do concurso usava um bom e velho template gratuito do wordpress.

PÔ! Mas então terá uma série de Blogs com o mesmo tema!?!

Quanto a isso, nem ligue, pois o que vai mudar para você ou para o outro blogueiro caso vocês usem o mesmo tema. Nada? Pense na formula 1, todos usam o mesmo carro na pista e o que muda? A mecânica (o jeito que o blogueiro conduz o blog) e as cores/patrocinadores (que no caso do blog seria o logo e as cores/personalizações de banners).

Na minha opinião não há o porque ficar chateado caso veja um blog com o mesmo template que o seu, ate porque, quando se compra um tema você simplesmente compra o direito de uso e não a exclusividade sobre ele, então, querendo ou não, terá uma serie de outros blogs com a mesma aparência que o seu, seja um template pago ou gratuito.

E outra, a maioria dos blogs não são notórios, ou seja, acabam recebendo poucas visitas, então, alguém, algum dia, só vai chegar em você e dizer “Puts, eu vi um blog parecido com o seu, quem copiou quem eih?”, caso o outro blog se destaque muito dos demais e o seu também.

É como se hoje surgisse um novo Neymar do Futebol em estilo, mas enquanto não aparecer outro e ser tão famoso quanto ao original não tem problema, e é por isso que existem tantas copias do neymar por ai (em estilo de cabelo, roupas), porque somente original é famoso a ponto de se destacar.

Quando você se tornar um sucesso, não importa muito se usa um template pago ou gratuito, pois lá você será sempre reconhecido como único, e caso tenha um blog mais antigo que o seu que já usava o mesmo template, é capaz das pessoas dizerem que ele te copiou (porque você é o blog de sucesso e não ele). Entende onde quero chegar com estas comparações?

Mas ate este nível, você já terá bala na agulha suficiente (dinheiro em caixa) para contratar uma agência e mandar ver na personalização do blog, então fique tranquilo que esta situação será extremamente opcional.

Antes disso faça como na formula 1!

Use o mesmo carro que os outros pilotos para ter um bom desempenho (template simples e grátis), mas foque-se na personalização de cores, pense em um logo e siga em frente rumo às atualizações diárias!

Essa deve ser sua maior preocupação no Blog!

Claro que cada projeto tem suas particularidades e tanto essa dicas como as do ótimo ponto de vista do Rhenan Cardozo, do blog RC Tutoriais lá no criar sites, “Por que não devo usar um tema gratuito”, são extremamente válidas. Cabe a você analisar e julgar qual é o melhor caminho do projeto para se destacar na rede.

Como criar um template responsivo para WordPress

Fonte: Paulo Faustino/IMasters

Depois de termos escrito e publicado uma série de doze artigos sobre Como criar um template WordPress, e porque as tecnologias estão constantemente avançando e melhorando, é necessário estar sempre na vanguarda da tecnologia para garantir os melhores resultados possíveis e a melhor experiência de utilização possível para o usuário.

A navegabilidade e usabilidade são hoje um aspecto extremamente importante na vida e no sucesso de um site/blog. E por isso não podemos fechar os olhos para as linguagens como o HTML5, CSS3 e também o Webdesign responsivo, que basicamente significa um layout de site/blog que responde automaticamente às diferentes resoluções de uma tela de um computador pessoal, de um smartphone ou de um tablet, ajustando todo o layout e os seus elementos para garantir a melhor experiência de navegação possível para o usuário.

Os colegas do Blissfull Interfaces lançaram recentemente um artigo interessante sobre a criação de um tema responsivo, que juntamente com o nosso guia completo sobre Como criar um template WordPress, poderá ajudá-lo a tornar o seu template wordpress responsivo ou ajudá-lo na criação dos seus temas WordPress futuros de uma forma mais moderna e adaptada às necessidades de hoje em dia.

Para criar um tema WordPress responsivo, você pode utilizar queries de CSS3. Para compreender este artigol, você já deverá saber como criar um template WordPress e ter alguns conhecimentos de CSS.

Hoje vamos aprender a criar uma child theme e usar queries de media em CSS3, para fazer com que o nosso layout se adapte às diferentes resoluções de telas dos vários aparelhos existentes no mercado.

  1. Na pasta ‘themes’ do seu WordPress, crie um novo arquivo chamado ‘multiplescreen’;
  2. Crie uma pasta CSS dentro do seu novo arquivo ‘multiplescreen’ e dê o nome de ‘style.css’.

Um ficheiro de CSS do tipo ‘style.css’ é a única coisa que você necessita para criar uma child theme. Adicione o seguinte código ao seu arquivo ‘style.css’.

Importante: Assumimos que o nome do seu template se chama ‘EscolaWP’.

Substitua o nome ‘EscolaWP‘ pelo nome do seu Template.

/*
Theme Name: EscolaWP Child
Theme URI: http://www.escolawp.com/
Description: Child theme para EscolaWP
Author: Seu Nome
Author URI: http://www.escolawp.com
Template: EscolaWP
Version:0.1.0
*/

Tal como acontece com qualquer tema WordPress, o cabeçalho de informação tem de estar no topo do arquivo CSS. A única diferença entre um arquivo de CSS e uma Child Theme é o campo Template: é obrigatório, para que o WordPress perceba qual é o Template mãe e filho, respectivamente.

Agora iremos necessitar de chamar a nossa folha de estilos parente para dentro da nossa child theme. Adicione o seguinte código ao seu novo arquivo de CSS. A função @import url.. chama a pasta de CSS do seu Template mãe para dentro do seu CSS do Template filho.

@import url(“../twentyten/style.css”);

Para verificarmos se a nossa child theme está funcionando corretamente, vamos mudar os títulos H1 da child theme para cor-de-laranja. Substitua o código anterior que chama o CSS do Template mãe, por este novo:

@import url(“../twentyten/style.css”);
h1
{
color: #ffb400;
}

Importante: Tenha certeza de que não aparece estilos antes do @import url.. Se isso acontecer, o CSS da nossa child theme não consegue carregar os estilos parentes.

Agora faça login no painel de administração do seu WordPress, active o template EscolaWP Child no menu Aparência –> Templates. Agora verifique como se encontra o seu blog WordPress num browser de Internet. Você deverá ver o seu template idêntico, mas apenas com os títulos H1 na cor-de-laranja.

Agora precisamos definir quais as medidas de media que vamos usar no nosso layout. Eis as três mais comuns:

  1. SmartPhones- Menos de 320px;
  2. Tablets – Entre 321px e 768px;
  3. Desktop – 769px e superiores.
@media screen and (max-width:320px)
{
h1 {
color: #ffb400;
}
}
@media screen and (min-width:321px) and (max-width:768px)
{
h1 {
color:#0096ff;
}
}
@media screen and (min-width:769px)
{
h1 {
color: #693573;
}
}

Grave o seu arquivo de CSS. Para testar as diferentes medidas, simplesmente abra o seu site em um browser de Internet e arraste a janela para diferentes dimensões, para verificar se o layout se adapta automaticamente. Você irá verificar uma mudança de cor no H1 color quando a dimensão reduz. Não esqueça de remover as alterações de cor no H1 caso não pretenda mantê-las.

Bom, é isso, pessoal! Até a próxima.

Django 1.4 beta 1: uma previsão da nova versão do maior framework Python

Fonte: Eder Magalhães/IMasters

A comunidade de desenvolvimento do Django anunciou a versão 1.4 beta 1, uma amostra com as novas funcionalidades e melhorias da próxima versão do Django. O Django é um popular framework open source, para desenvolvimento web utilizando Python. Disponibiliza uma estrutura alto-nível para Mapeamento Objeto/Relacional (ORM, na sigla em inglês), além da definição de templates visuais, criação automática de interfaces para administração de conteúdo, e outras características como foco em produtividade.

A nova versão do Django implementa o conjunto extenso de melhorias, entre elas:

  • Integração com ferramentas de testes. O Django agora pode ser integrado a ferramentas de testes direto do navegador. Com a nova classe LiveServerTestCase programadores poderão escrever casos de testes que operam como um serviço e são acionados no navegador por clientes/scripts de testes, como o Selenium.
  • Novidades em ORM. Através do método bulk_create, o mecanismo de ORM do Django suporta a criação de múltiplos objetos, aumentando muito a performance ao utilizar muitas instâncias de objetos. Já com o novo método prefetch_related é possível obter relacionamentos complexos entre objetos de forma mais eficaz. Outra novidade no ORM do Django é o suporte a locks pessimistas de registros na base de dados, através do método select_for_update.
  • Melhorias em segurança. O Django 1.4 introduz um novo mecanismo para armazenamento de senhas com algoritmo PBKDF2 e codificação SHA256, mais seguro que a alternativa anterior (o Django 1.3 utiliza SHA1). Também foram implementadas APIs de criptografia, permitindo a manipulação de cookies assinados.
  • Internacionalização. Com o novo método i18n_patterns a nova versão do framework utiliza um prefixo na URLs mapeadas da aplicação, identificando o idioma em que o conteúdo deve ser apresentado. Adicionalmente é possível traduzir o conteúdo de uma URL através do método ugettext_lazy.
  • Templates. A versão 1.4 traz a função assignment_tag para simplificar a criação de tags que manipulam variáveis no contexto da aplicação. Outra novidade é que, a partir de agora, exceções lançadas em modo de depuração não são mais encapsuladas em TemplateSyntaxError.

Por fim, é importante notar que a partir da versão 1.4, o Django passa a suportar o Python 2.5 como a versão mínima da linguagem.

Para experimentar o Django 1.4 beta 1, é necessário realizar o download no site do projeto. O objetivo é que, ao testarem a versão beta, os desenvolvedores colaborem, fornecendo o feedback sobre as funcionalidades implementadas além de identificar e corrigir eventuais bugs. O lançamento do Django 1.4 final deve ocorrer até o fim de março deste ano.

Como usar declarações e tags condicionais em PHP no WordPress

Para quem desenvolve temas WordPress, ou tem curiosidade em melhorar a qualidade do seu template, alterando o código dos arquivos para torná-lo mais funcional e ao mesmo tempo mais simples de usar, umas das estratégias a se pensar são as declarações condicionais e as tags do PHP. Recentemente, os colegas do wptuts falaram sobre esse assunto e deram alguns exemplos práticos bem interessantes para quem ainda não usa esse tipo de declarações e tags de PHP. O objetivo é que você possa aproveitar ao máximo os recursos do WordPress.

As declarações condicionais são extremamente poderosas e podem ajudá-lo a realizar uma série de ações no WordPress de forma extremamente simples e direta. Com uma utilização inteligente dessas declarações de PHP, você pode conseguir puxar muita informação e funcionalidades com o seu WordPress. Usando as declarações condicionais conjuntamente com as tags condicionais do WordPress, você consegue encontrar determinados textos, ou fazer com que uma determinada imagem apareça apenas em uma página específica. Dessa forma, não há a necessidade de criar novas páginas, ou templates para o efeito.

Compreender as declarações condicionais

Provavelmente, você já ouviu falar das declarações “if”, que, basicamente, definem que, se uma coisa for igual ou diferente de outra, uma ação acontece. Essa é uma declaração condicional do PHP, que é usada pelos arquivos de Temas WordPress, juntamente com algumas funções internas da plataforma, para definir a lógica e informar como os conteúdos devem ser apresentados, de acordo com os critérios definidos, a base de dados do WordPress. Essas declarações são extremamente importantes para, por exemplo, criar hierarquias nos templates.

Uma declaração condicional simples seria algo deste gênero:

<?php if ( ) { ?>......<?php  } ?>

A seguinte declaração pode ser lida, basicamente, desta forma: “Se (if) alguma coisa acontecer = fazer alguma coisa”. Os critérios “acontecer” e “fazer” serão definidos, obviamente, por si. Você pode usar este gênero de declarações “if” dentro do WordPress sempre que desejar e sem qualquer tipo de restrição. O WordPress tem, também, um conjunto de declarações próprias que você pode usar.

As tags condicionais do WordPress

Existem diferentes tipos de tags condicionais dentro das declarações condicionais. Esse tipo de tag busca uma informação específica no banco de dados do WordPress e é definido por diferentes itens na plataforma, como, por exemplo, posts, tags, textos, imagens, categorias, entre outros.

Eis as tags condicionais mais populares do WordPress:

  • is_page() – Ela é usada para atribuir uma determinada condição a uma das suas páginas específicas, como, por exemplo, a sua página “Contatos”. Você pode usá-la para se referir a essa página em concreto, usando o ID da página no banco de dados, o título, ou o slug/nome;
  • is_category() – Usada para atribuir uma determinada condição a uma das suas categorias específicas, como, por exemplo, a sua categoria “Revistas”. Você pode usar esta tag para se referir a essa categoria em concreto, usando o ID da categoria no banco de dados, o título, ou o slug/nome;
  • is_home() – Esta tag é usada para se referir à homepage do seu site/ blog;
  • is_single() – Esta tag é usada para se referir a blogs de uma única página, artigos singulares, ou anexos;
  • is_tag() – Esta tag é usada para se referir a arquivos de tags específicas. Trabalha de forma similar à tag condicional de categorias;
  • is_archive() – Esta tag é usada para se referir a páginas de arquivos;
  • is_search() – Esta tag é usada para se referir à página de resultados de pesquisas internas;
  • is_404() – Esta tag é usada para se referir à página de erro HTTP 404;
  • is_author() – Esta tag é usada para se referir à página de arquivos do Autor;
  • is_comments_popup() – Esta tag é usada para se referir a um Popup de comentários.

Você pode ver a lista completa de tags condicionais no Codex do WordPress. Para tornar a compreensão mais fácil, por que não testarmos alguns exemplos?

Conteúdos diferentes em várias páginas

Imagine que você gostaria de mostrar uma imagem na sua primeira página, não mostrar nada na segunda, e mostrar um texto na terceira página. Obviamente, neste exemplo, você poderá trocar as páginas por casos reais, como as suas páginas de “Publicidade”, “Contatos”, “Sobre”, ou outras que desejar. O princípio aplica-se da mesma maneira.

<?php  if ( is_page('First_Page') ) { ?>
<img src="imagem_aqui.gif" />
<?php  } elseif ( is_page('Third_Page') ) { ?>
<p>Algum texto aqui….</p>
<?php  } else { ?>
<?php  } ?>

Estes códigos devem ser inseridos no artigo page.php, onde você deseja que o conteúdo seja apresentado.

Esta é uma declaração multi-condicional (veja a utilização de múltiplos recursos, como o “if, elseif, else…”). Este código vai procurar as páginas corretas e depois, utilizando as tags condicionais, mostrar a informação de acordo com o especificado. Você pode usar condições ilimitadas em um só código. Se você usar a declaração is_page(array(‘First_Page’,’Second_Page’)), você pode mostrar o mesmo conteúdo nas três páginas em simultâneo, por exemplo.

Mostrar um texto em um post ou em uma categoria

Aqui, você vai usar o símbolo “||” para mostrar algo, caso uma das condições seja cumprida. Se nenhuma das condições for cumprida, ele não vai mostrar nada.

<?php  if is_category(Category_Page) ) || ( is_single(Single_Page)  { ?>
<p>Mostrar texto aqui….</p>
<?php  } else { ?>
<?php  } ?>

Normalmente, nós usamos o símbolo “||” para verificar se alguma das condições foi cumprida. Alternativamente, poderemos usar o símbolo “&&” para criar uma condições do tipo E (algo E algo), em que ambas as condições têm de ser cumpridas para que o item seja apresentado visualmente ao usuário. O símbolo “!” é usado, normalmente, para excluir algo da lista. Veja este exemplo: !( is_page(Excluded_PageName)). Com este código, excluímos uma determinada página da equação automaticamente.

Verificar se um thumbnail (miniatura) para o artigo foi carregado

Este código verifica se foi carregada uma imagem de thumbnail (miniatura) para o artigo e, caso não tenha sido, ele carrega uma imagem alternativa.

<?php  if(posted_thumbnail()) {
show_thumbnail();
}  else {?>
<img src="<?php  bloginfo('template_directory');?>/images/default_Image.gif" alt="Image not Displayed">
<?php  }?>

Estas tags condicionais, e as próprias declarações condicionais, podem servir para tirar o máximo proveito do WordPress através de códigos super práticos – quando usadas com maestria.

Fonte: Paulo Faustino/InfoQ

Repositórios de extensões e templates do LibreOffice estão disponíveis

A Document Foundation anunciou que novos repositórios de extensões e templates do projeto para o LibreOffice agora estão disponíveis. Em um post no blog da Document Foundation, Florian Effenberger, membro da Comissão de Diretores, disse que as novidades irão beneficiar milhões de usuários do LibreOffice em todo o mundo.

Os repositórios incluem apenas extensões e templatesdisponíveis sob licenças de software gratuitas, e as listas são revisadas por uma comunidade de voluntários.

Baseados no Plone,os repositórios permitem que usuários busquem usando palavras-chave, e ordenem os resultados por classificação, número de downloads, mais novos ou aqueles que foram recentemente adicionados.

Os repositórios podem ser encontrados nos seguintes links: extensions.libreoffice.orge templates.libreoffice.org.

Com informações de The H

Fonte: IMasters

Repositórios de extensões e templates do LibreOffice estão disponíveis

A Document Foundation anunciou que novos repositórios de extensõese templates do projeto para o LibreOffice agora estão disponíveis. Em um post no blog da Document Foundation, Florian Effenberger, membro da Comissão de Diretores, disse que as novidades irão beneficiar milhões de usuários do LibreOffice em todo o mundo.

Os repositórios incluem apenas extensões e templatesdisponíveis sob licenças de software gratuitas, e as listas são revisadas por uma comunidade de voluntários.

Baseados no Plone,os repositórios permitem que usuários busquem usando palavras-chave, e ordenem os resultados por classificação, número de downloads, mais novos ou aqueles que foram recentemente adicionados.

Os repositórios podem ser encontrados nos seguintes links: extensions.libreoffice.orge templates.libreoffice.org.

Informações postadas originalmente em The H

Fonte: IMasters