Arquivo da tag: ram

Microsoft mostra detalhes da redução do uso de memória no Windows 8

Um dos grandes sucessos do Windows 7 foi a promessa da entrega de menor uso de memória que seu antecessor, o Vista, e se mostrou até mais rápido.

E o Windows 8 pretende continuar essa ‘tradição’. Na conferência //build/, Steven Sinofsky, presidente da Divisão Windows, impressionou os participantes com uma screenshot com o gerenciador de tarefas rodando Windows 7 e Windows 8. O netbook, o mesmo usado na demonstração do pré-beta do Windows 7 há três anos, teve uma redução de quase 120 MB no uso de RAM.

A redução impressiona quando levado em consideração que o Windows 8 inclui o Microsoft Security Essentials integrado a um novo Windows Defender.

Entre as técnicas que a equipe da Microsoft utilizou para atingir essa redução elas estão:

Compartilhar porções de memória em diferentes processos: o gerenciador de memória do Windows tenta remover bloqueios do sistema de memória que já são duplicados em outros programas executados. As porções “únicas” de memória são aquelas relatadas no gerenciador de tarefas, na coluna “Memória”, dos Windows 7 e 8.

Colocar mais serviços carregamento sob demanda ou na inicialização manual: comparado com o Windows 7, os serviços Plug and Play, Windows Update, e User PnP Framework são carregados sob demanda no Windows 8. Ou seja, eles são ativados por um gatilho e continuam sendo executados para completar uma tarefa requisitada antes de serem desligados. O Windows 8 também tem novos serviços no novo suporte para o sistema operacional, mas eles são carregados sob demanda ou configurados para uma inicialização manual.

Mais detalhes podem ser vistos no blog Building Windows 8.

Informações originalmente publicadas em Neowin

Fonte: IMasters

Como deixar o WordPress mais rápido para carregar

Já há algum tempo o Google vem fazendo alterações em seu algoritmo de indexação dos sites, alterando a importância de alguns critérios, retirando alguns e adicionando outros. Um dos critérios adicionados a lista é o tempo de carregamento dos sites, que de acordo com experts em SEO, se um site/blog demorar muito tempo para carregar com frequência, ele pode ser rebaixado nos resultados das buscas.

O Google faz isso para manter um catálogo de sites que ofereçam um bom conteúdo, mas que acima de tudo, sejam bem estruturados e que sejam acessíveis para os Internautas que utilizam o mecanismo de pesquisa.

O próprio Ferramentas para Webmasters fornece um gráfico que mostra a velocidade de carregamento do site ao longo do tempo (desde que esteja cadastrado no serviço), o que mostra que o Google está mesmo monitorando este critério.

Como deixar seu WordPress mais Rápido

Contrate uma boa hospedagem

Quem está começando no mundo dos blogs e ainda não está gerando uma renda suficiente para pagar um servidor dedicado (que é utilizado só pelos seus sites e blogs) tem que se render as hospedagens compartilhadas, que normalmente armazenam centenas de sites como o seu.

O problema aqui é que boa parte das empresas de hospedagens lotam o servidor, na ganância de ganhar mais dinheiro sem precisar investir em um outro servidor. O que ocorre então é um sobrecarregamento no uso dos recursos do servidor, como é o caso da memória RAM, CPU e da saída de rede, podendo levar todos os sites armazenados no mesmo servidor a ficarem extremamente lentos para carregarem.

Por isso é importante sempre escolher uma empresa de hospedagem que tenha credibilidade no mercado, para evitar que seu blog perca visitantes e posicionamento nos resultados das buscas. Sempre fuja das empresas que cobram em torno de R$3 por mês.

Utilize um plugin de cache

O WordPress é um sistema dinâmicos, por isso sempre que um visitante acessa uma página de seu blog, várias coisas acontecem no servidor de forma que o visitante possa visualizar a página. Se houver um número razoável de visitantes simultâneos em seu blog, o servidor pode ficar sobrecarregado com tantas requisições, levando a lentidão ou ao travamento total em casos extremos.

Para resolver este tipo de problema, você pode utilizar um plugin de cache, que transforma as páginas dinâmicas em páginas estáticas, que são exibidas aos visitantes, agilizando a exibição das páginas e aliviando o servidor. Explicando de uma forma bem simples, seria como se o plugin tirasse fotografias das páginas do blog e as entregasse aos visitantes sempre que eles quiserem visualizar uma determinada página.

Desative plugins desnecessários

Uma das vantagens do WordPress é a possibilidade de adicionar plugins que estendem as funcionalidades do sistema, permitindo fazer coisas que de outra forma seria impossível.

O problema aqui é que devido a facilidade, muitas pessoas acabam adicionando plugins demais (ou será que você precisa dos 50 plugins presentes em seu blog?), podendo ocasionar lentidão devido aos processos que o servidor tem que executar para que o plugin funcione. Em casos extremos, um plugin pode até causar incompatibilidade com outros plugins, travando ou desconfigurando o blog.

Otimize as imagens

A fim de deixar o blog mais leve, outro ponto importante é referente ao peso total das páginas, sendo as imagens o grande vilão da história na maioria dos casos. Por isso, lembre-se de sempre otimizar as imagens antes de adicioná-las aos seus posts, seja ajustando as medidas ou diminuindo o seu peso.

Você pode fazer isso utilizando um editor de imagens ou mesmo um serviço de otimização online como é o caso do Image Optimizer, que é o que eu venho utilizando ultimamente.

Recomendo que faça um teste no GTmetrix, que além de mostrar as imagens mais pesadas em seu blog, ainda aponta diversos fatores que podem estar deixando seu blog mais lento.

Mantenha o WordPress atualizado

A cada nova versão do WordPress novas implementações são adicionadas, incluindo mudanças na forma que o sistema acessa o banco de dados. Por isso é importante manter o blog atualizado de forma que ele seja o mais eficiente possível.

Isso também é importante para manter o blog mais seguro, já que novas atualizações de segurança são implementadas a cada nova versão.

Fonte: Celso Lemes/criarsites