Arquivo da tag: plugins

Como criar um blog de testes no Blogger

Fonte: Adelson Smania/gerenciandoblog


Há diversas alterações que você pode realizar em seu blog que apresentam riscos ao seu funcionamento (como os apresentados na séries SEO no Blogger: novidades fantásticas) – sendo alguns riscos maiores e outros menores. Por isso, é uma boa estratégia manter, além do blog principal, um blog de testes onde você pode realizar experimentos à vontade, sem o risco de prejudicar o funcionamento de seu blog oficial. Veja neste artigo algumas dicas para facilitar o trabalho de ter um blog de testes.

Introdução

É natural que você encontre templates, plugins, gadgets e outros recursos que você gostaria de utilizar em seu blog. No entanto, é uma estratégia bastante arriscada colocar esses recursos diretamente em seu blog de produção, pois isso pode lhe trazer diversos problemas:

  • Seu blog pode ficar desconfigurado, com o layout estranho, confundindo seus visitantes.
  • Você pode querer avaliar o recurso antes de colocá-lo no ar, justamente para saber se ele será ou não interessante.
  • O gadget ou plugin pode trazer um código malicioso, o que fará com seu blog seja bloqueado pelos navegadores ou serviços de proteção.
  • Na pior das hipóteses, o seu blog pode ficar fora do ar, devido a um erro de configuração ou mesmo um erro no recurso que você quer utilizar.

Todos esses pontos constituem uma justificativa mais do que razoável para que você possua um blog de testes. Trata-se de um blog que não ficará disponível ao público externo, com um endereço que apenas você conhece, e onde você poderá realizar todas as suas experiências antes de colocar um recurso em seu blog oficial. Caso algo dê errado, seu blog oficial não será impactado e seus visitantes nem ficarão sabendo. No pior dos cenários, se tudo der errado você pode simplesmente deletar seu blog de testes e criar um novo.

Como criar um blog de testes no Blogger

Criar um blog de testes no Blogger é muito simples. Há duas opções: você pode criar um novo blog na própria conta que você já possui hoje ou criar uma nova conta para o blog de testes.

Minha recomendação é que você crie o seu blog de testes na mesma conta que você já utilizada atualmente, para facilitar o seu gerenciamento. Neste caso, basta seguir os passos deste tutorial. Caso você deseje criar uma nova conta, basta acessar o endereço http://www.blogger.com e criar a conta do zero, como você fez da primeira vez que criou seu blog.

Vamos às instruções para criar seu blog de testes:

1. Acesse http://www.blogger.com e entre com seu usuário e senha.

2. Clique no botão “Novo blog”, na coluna esquerda da tela.

3. Defina um nome e endereço para o novo blog, escolha um modelo (pode ser qualquer um, pois você o alterará depois) e clique em “Criar um blog”.

4. Seu novo blog aparecerá em sua lista de blogs. É necessário agora ajustar algumas configurações nele. Para isso, clique em seu nome.

5. Acesse “Configurações” / “Básico”. Na opção “Privacidade”, clique em “Editar”.

6. Modifique as opções para que elas fique conforme abaixo. Isso garantirá que seu blog de testes não seja mostrado nas pesquisas do Google nem nas listas do Blogger. Ao terminar, clique em “Salvar alterações”.

7. Nessa mesma página, em “Permissões”, clique em “Editar” na opção “Leitores do blog”.

8. Modifique-a para “Somente autores do blog”. Isso impedirá que outras pessoas vejam seu blog de testes.

Pronto! O seu blog de testes já está criado e configurado para que outras pessoas não consigam encontrá-lo ou mesmo visitá-lo. Se você for utilizá-lo para testar um novo template, já pode fazer isso da forma como ele está. Mas, se pretende utilizá-lo para testar novos gadgets ou mudanças em seu template atual, é interessante colocar nele o mesmo template do seu blog oficial. Isso é feito seguindo os passos seguintes:

9. Ainda dentro do Blogger, você precisará acessar o seu blog oficial. Para isso, clique na opção “Meus blogs”, no canto superior esquerdo da tela.

10. Clique agora no nome de seu blog oficial.

11. Clique na opção “Modelo”, na coluna esquerda.

12. Clique agora no botão “Fazer backup/Restaurar”, no canto superior direito da tela, abaixo de seu nome.

13. Clique em “Fazer download do modelo completo” e escolha um local de seu computador para salvar seu template oficial. Após salvá-lo, clique no botão “Fechar”.

14. Volte agora ao seu blog de testes, novamente clicando em “Meus blogs” e depois sobre o nome dele.

15. Acesse também a opção “Modelo”, na coluna esquerda, e clique no botão “Fazer backup/Restaurar”.

16. Desta vez, clique no botão “Escolher arquivo” e indique o arquivo que você salvou no item 12. Depois, clique em “Fazer upload”.

Pronto! Agora você terá uma cópia do seu blog, com o mesmo template e os mesmos gadgets do seu blog oficial. Alerto que a cópia não é 100% fiel, especialmente no caso dos gadgets do tipo “HTML/JavaScript”. Para eles, você precisará fazer a cópia dos códigos manualmente e colá-los nos gadgets de seu blog de testes.

Agora, você poderá realizar testes à vontade neste blog, e só aplicar as mudanças em seu blog oficial quando estiver certo do resultado que elas trarão.

Conclusão

Ter um blog de testes é essencial. Sem ele, você corre o risco desnecessário de desestabilizar o seu blog oficial e prejudicar as visitas de seus leitores. É uma ótima forma para você não apenas testar novos recursos, mas também para “treinar” antes de realizar alterações importantes em seu blog oficial.

Dicas para tornar o WordPress mais seguro contra Invasões

Fonte: Celso Lemes/CriarSites

Todos os sites e blogs presentes na Internet estão suscetíveis a ataques hackers. Na maioria dos casos o invasor apenas desconfigura o blog ou adiciona links no template na tentativa de ganhar visitantes ou melhorar seu posicionamento no Google, o que pode levar o blog invadido a ser penalizado pelos buscadores caso o link seja suspeito. Em casos extremos o invasor pode até apagar dados, fazendo com que o blog deixe de funcionar.

Por isso é necessário realizar uma prevenção periódica de forma a manter o blog e o servidor o mais seguro possível.

Lembrando que mesmo com todas as dicas abaixo, seu blog não estará 100% seguro, portanto é essencial que você tenha em mãos cópias de seus arquivos e do banco de dados para recuperar seu blog.

1) Atualize o WordPress e Plugins

Tanto o sistema do WordPress quanto os plugins sofrem atualizações que adicionam nova funcionalidade e também fecha brechas de seguranças que poderiam ser utilizados pelos invasores para ter controle do blog. Por isso é muito importante manter o blog atualizado de forma a evitar que eles se aproveitem das vulnerabilidades.

2) Proteja a pasta plugins com um arquivo index.html limpo

Quando uma pessoa tenta acessar uma pasta no servidor e este não possui um arquivo index, dependendo do caso, ela pode visualizar todos os arquivos e pastas presentes, o que permitiria que o invasor descubra por exemplo, todos os plugins instalados no blog e que utilize uma brecha presente em algum deles.

Para resolver este problema, você pode criar um arquivo index.html em branco mesmo e publicar dentro da pasta wp-content/plugins. Isso exibirá uma página em branco para todas as pessoas que tentarem acessar a pasta de plugins de seu blog.

Se não souber como criar o arquivo index.html, clique com o botão direito aqui e salve o arquivo em seu computador.

3) Apague a tag que informa a versão do seu WordPress

Como citado anteriormente, os invasores podem explorar brechas conhecidas no WordPress para invadir um blog, mas para fazer isso é necessário que ele saiba exatamente qual a versão do WordPress instalado.

Acontece que por padrão, os templates para o WordPress informam a versão do WordPress instalado, o que facilita o trabalho dos invasores. Para contornar este problema, você pode apagar do template, a tag que exibe a versão do WordPress.

Para fazer isso, basta que você acesse o painel de controle do WordPress, clique na aba “Aparência”, em “Editor” e selecione o arquivo header.php (cabeçalho) de seu atual template. Em seguida apague a seguinte linha.

<meta content=”WordPress <?php bloginfo(’version’); ? >” name=”generator” />

4) Instale o plugin Login Lock Down

Alguns metidos a “hackers” tentam ter controle do blog na base da tentativa e erro (também chamado de força bruta),digitando logins e senhas que acreditam que podem dar certo.

Para resolver este problema, você pode utilizar o plugin Login Lock Down, que guarda o IP de quem estiver tentando acessar o blog por força bruta, bloqueando o acesso ao invasor após um número X de tentativas sem êxito.

5) Utilize um nome de usuário não sugestivo

Na maioria dos blogs com WordPress o usuário padrão é o “admin“, o que torna mais fácil a invasão por força bruta. Caso o seu usuário seja esse, eu recomendo que altere para outro usuário menos sugestivo.

Para fazer isso crie um novo usuário e dê a ele a permissão de “Administrador“. Em seguida, logue-se com este novo usuário e apague o usuário admin.

6) Utilize um senha forte

Para tornar o blog mais seguro, é recomendável que a senha seja forte, com duas ou mais palavras, números e caracteres especiais. Por exemplo Cr1@r$it3S.

7) Edite o arquivo .htaccess

Você também pode fazer pequenas alterações no arquivo .htaccess de forma a proibir o acesso a determinados arquivos importantes em seu blog. Recomendo que leia o artigo “Dicas para aumentar a segurança de seu blog“.

8) Crie cópias regulares do banco de dados e das imagens

Crie o hábito de fazer backups periódicos do banco de dados e das imagens do seu blog. Isso permitirá que você recupere seu blog para o que ele era (até a data do backup) caso uma invasão seja feita.

Quais as Vantagens Do Html5 Para o Usuário Comum?

Fonte: 170Web

Com Informação de http://www.tecmundo.com.br/flash/4587-quais-as-vantagens-do-html5-para-o-usuario-comum-.html


Anteriormente, nos artigos “O que é HTML5?” e “HTML5 x Flash: uma guerra iminente?”, o Baixaki descreveu como funciona o HTML5 e quais as principais diferentes entre este e o Adobe Flash.

No entanto, o que mudará em sua vida quando a tecnologia realmente vingar? Esse é o tema deste artigo e, com ele, você entenderá a razão pela qual o HTML5 é tão bem visto pelos desenvolvedores.

O que muda?

Um pouco sobre a linguagem: em termos simples, o HTML usa tags para estruturar as informações de um site. O HTML 5, por sua vez, é uma tentativa de padronizar a maneira como os navegadores interpretam as informações recebidas – cada um as interpreta de maneira distinta, o que pode resultar em distorções na visualização.

A principal mudança que talvez seja percebida pelos usuários seria a de você não precisar instalar diversos plugins para assistir a vídeos em diferentes formatos (dependendo do site eles são exibidos em Flash, QuickTime, Windows Media Player, etc.), assim como para exibir outros elementos da página que dependeriam dos mesmos plugins. Todavia, não se engane, o HTML 5 não veio para eliminar o Flash.

Por mais que alguns dos componentes do HTML 5 sejam capazes de executar funções similares às do Flash, é preciso levar em consideração que ainda são poucos os navegadores que suportam totalmente a tecnologia. Além disso, para sequer pensar nessa possibilidade, será necessário não só a compatibilidade do navegador, mas também vídeos em formatos adequados e uma total reestruturação dos sites que queiram substituir tudo pelo HTML5.

Em resumo, para os desenvolvedores, o HTML 5 deixa algumas tarefas mais simples e oferece outras maneiras de fazer as mesmas coisas. Já para os usuários, a mudança será percebida, principalmente, ao usar celulares – ou outros portáteis – para acessar a internet. Isso porque não haveria a necessidade de instalar plugins (algo nem sempre possível nos navegadores “mini”) para visualizar aquilo feito com HTML 5.

Qual a diferença do wordpress.org em relação ao wordpress.com?

Fonte: Gustavo D. Castro/CriarNet

Para que ainda não sabe WordPress é uma poderosa plataforma inicialmente utilizada apenas para montar blogs que se desenvolveu tanto que atualmente é utilizada para desenvolver qualquer tipo de sites. É comum vermos na internet citações dos sites: wordpress.com e wordpress.org, você pode até imaginar que se trata apenas de extensões de domínios diferentes, mas não é, são sites diferentes com uma enorme diferença entre um e outro.

Nesse post explicarei detalhadamente sobre qual é a diferença entre o wordpress.org e o wordpress.com para acabar de uma vez por todas com as dúvidas.

O que é wordpress.org

O site wordpress.org é o primeiro e principal site do grupo que desenvolve o famoso cms wordpress, é nele que encontramos o pacote de instalação do blog para que possamos fazer o download e instalar em nosso próprio servidor de hospedagem, nele também encontramos uma série de templates, plugins além de um fórum de suporte aos usuários do wordpress.

O que é o wordpress.com

O wordpress.com é um serviço grátis oferecido pela mesma organização responsável pelo wordpress.org porem bem semelhante a outros serviços como o blogspot, que permite ao usuário se cadastrar e rapidamente ter seu blog online porem de forma limitada, quem possui um blog na wordpress.com não pode editar o código fonte de seu blog, pode usar somente alguns plugins definidos pelo sistema, etc…

Porem não precisa se preocupar com questões mais técnicas como por exemplo, hospedagem, instalação, configuração etc… É ideal para quem não tem conhecimentos mínimos para realizar a instalação de um blog.

Para mim o WordPress.org só se tornou o que é hoje graças ao WordPress.com que acabou atraindo outras pessoas a usar o sistema que fez com que o wordpress ficasse conhecido mundialmente. O wordpress.com também trouxe novos rumos nos negocios da wordpress, já que no site é oferecido uma série de serviços, como por exemplo: auxilio a migração, para quem deseja migrar o blog do wordpress.com para o .org, taxa para usar domínio próprio, entre outros…

Dicas para tornar um blog em WordPress mais leve

Todos nós que trabalhamos com web, sabemos que hoje um dos fatores importantes para uma boa localização nas SERPs é o tempo de carregamento de uma página.

Nesse artigo vou indicar algumas formas e hacks para serem utilizados no WordPress para que sua página fique o mais leve possível.

Um dos fatores que mais atrapalham no carregamento de um site, é a requisição absurdo do BD de nossos servidores, geralmente causados por excesso de:

· Plugins;

· Muitos JS;

· Imagens pesadas;

· Número grande de publicidade;

· Número grande de banners de parceiros (afim de promover seu blog/site);

· Versão desatualizada do WP;

Dicas para melhorar o carregamento do site

Primeiramente verifique o tempo de carregamento do seu site. Como fazer isso?

Utilize um dos serviços abaixo:

· http://www.google.com/webmasters/tools/

· http://webwait.com/

Alguns dizem que site/blogs que ultrapassam os 5 segundos, já podem ser considerados pesados para os buscadores, mas encontramos pessoas que dizem que até 10 segundos é um tempo considerável, mas a minha opinião é que o carregamento de um site deve variar entre 2 e 6 segundos no máximo.

· Desinstale plugins desnecessários;

· Reveja seu código;

· Organize seu layout/template; Header/conteúdo/lateral

· Use hacks no lugar de plugins;

· Evite imagens pesadas;

· Mantenha seu WordPress sempre atualizado e seus plugins;

· Esteja sempre de olho no desempenho do seu site utilizando o http://www.google.com/webmasters/tools/.

Considerações finais

Os plugins que eu sempre utilizo são: Similar posts, algum de Cache, All in One SEO Pack e algum para criação de sitemap.xml

Postado por Adriano M./Curso Online

Fonte: CriarSites

Prós e Contras do WordPress e Blogger

O WordPress e o Blogger são duas das plataformas mais utilizadas na criação de blogs, cada um com suas vantagens e desvantagens, que devem ser levadas em consideração por quem deseja iniciar um novo blog.

Abaixo você pode conferir uma lista com as principais vantagens e desvantagens oferecida por cada uma destas duas plataformas, que podem te ajudar na hora de iniciar um novo projeto.

WordPress

O WordPress oferece duas versões de sua plataforma, sendo uma que pode ser criado facilmente no WordPress.com e também um pacote que pode ser baixado no WordPress.org e instalado em um servidor apropriado.

Basicamente, a diferença entre os dois está no fato de que o WordPress.com é mais limitado, não permitindo editar ou instalar novos templates, adicionar novos plugins ou adicionar publicidades, enquanto que no WordPress instalado você tem muito mais liberdade para fazer tudo isso.

Prós do WordPress:

wordpressTemplates

WordPress.org – Permite adicionar novos templates e também editá-los de uma forma mais fácil em relação ao Blogger.

WordPress.com – Não permite adicionar ou editar templates.

Plugins

WordPress.org – Permite adicionar novos plugins que dão mais funcionalidades a plataforma, como é o caso de contadores de visitas, melhoramentos na navegação, backups automáticos, sistemas de newsletter e etc.

WordPress.com – Tem um número limitado de plugins e não permite adicionar plugins novos.

Proteção por senha

WordPress.org e WordPress.com – Permitem proteger qualquer página ou post com uma senha, impedindo que qualquer pessoa tenha acesso ao conteúdo.

Maior controle sobre os dados do blog

WordPress.org – Você tem acesso total ao banco de dados e os arquivos que compõem o blog, o que dá liberdade para ter uma cópia local de seu blog e movê-lo para outra hospedagem a qualquer momento. Você é dono do seu conteúdo.

WordPress.com – Não permite acessar os arquivos ou o banco de dados. No entanto, isso só seria um problema caso seu blog esteja fora das diretrizes de uso do próprio WordPress, que neste caso poderia deletar a sua conta.

URLs amigáveis

WordPress.org e WordPress.com – O WordPress permite customizar a URL dos posts e páginas, tornando mais amigáveis para os buscadores.

SEO

WordPress.org e WordPress.com – O WordPress por si só já é melhor em relação a SEO e fica melhor ainda depois de instalar alguns plugins como o All in One SEO Pack, que oferece uma melhor customização dos títulos dos posts (que aparece no topo dos navegadores), meta tags, descrição e etc.

Empresas de hospedagens oferecem a instalação do WordPress com 1 clique

WordPress.org – Quem deseja optar pelo WordPress instalado, poderá usufruir do sistema de auto instalação oferecido pela maioria das empresas de hospedagem de sites.

Criação de páginas infinitas

WordPress.org e WordPress.com – O WordPress permite criar páginas estáticas infinitas, ao contrário do Blogger que atualmente só permite adicionar 20.

Contras do WordPress:

Maior conhecimento técnico

WordPress.org – Um blog instalado exige maior conhecimento sobre os procedimentos relacionados a publicação de arquivos, preparação do banco de dados e instalação do WordPress, o que não acontece no Blogger ou no WordPress.com

Não é de graça

WordPress.org – Para ter um blog instalado é necessário adquirir uma hospedagem profissional (as hospedagens grátis não são recomendadas) e 1 domínio próprio, o que pode custar algo em volta de R$15,00 por mês.

Mais responsabilidades

WordPress.org – Para que seu blog esteja seguro, é necessário que você cuide de realizar backups periódicos para se prevenir em caso de uma catástrofe. Além de estar encarregado de verificar se tudo está funcionando corretamente com o servidor de hospedagem.

Publicidade

No WordPress.com é proibido a inclusão de qualquer tipo de publicidade, tanto é que as publicidades do Google Adsense não aparecem de jeito nenhum no blog.

Blogger

O Blogger é uma plataforma oferecida gratuitamente pelo Google, que também permite criar blogs incríveis, mas que não são tão bons em relação a customização e otimização para os buscadores.

É Grátis

Desde que você opte pelo subdomínio grátis (seublog.blogspot.com), você não precisa pagar nada, mas se quiser adquirir um domínio, terá que desembolsar $10 por ano.

Templates grátis

O Blogger também conta com centenas de templates grátis.

Não precisa se preocupar com backup

O próprio Google se encarrega de cuidar do backup de seus arquivos e do banco de dados.

É mais fácil para se cadastrar no Google Adsense

Quem tem uma conta no Blogger, tem mais facilidade para criar uma conta no Google Adsense para ganhar dinheiro com o blog.

Proteção por senha

O Blogger apenas permite adicionar um usuário e senha para o blog que abrange o blog todo, diferente do que acontece com o WordPress que permite proteger páginas individuais.

Contras do Blogger:

Não permite armazenar outros tipos de arquivos

O Blogger somente oferece a hospedagem de imagens. Se precisar armazenar outros tipo de arquivos, terá que utilizar serviços de armazenamento oferecidos por terceiros. No WordPress.org você não tem este tipo de problema.

Não oferece categorias

O Blogger não permite organizar o conteúdo por categorias como acontece no WordPress. A única forma de organizar o conteúdo por seções é através dos marcadores, que são conhecidos por TAGS no WordPress.

Não permite editar comentários

Você não pode editar os comentários deixados pelos visitantes.

Não permite editar a URL dos posts

A URL dos posts não pode ser editada.

Não permite adicionar meta tags individuais

Você somente tem a opção de adicionar meta tags de uma forma generalizada, que aparece igual em todos os posts e páginas do blog.

Não permite editar os títulos

O Blogger não permite adicionar um título para as páginas (que aparece no topo dos navegadores) diferente dos títulos dos posts, o que pode atrapalhar um pouco a otimização do blog.

Reputação ruim

De uma forma geral, o Blogger tem uma má reputação devido aos montes de blogs spams que são criados diariamente. O que pode levar muitas grandes empresas a bloquearem o acesso de seus funcionários a qualquer blog que utilize um subdomínio oferecido pelo Blogspot.com.

Templates com código sujo

Os templates do Blogger em sua maioria contém códigos desnecessários e também carregam todo o CSS dentro do mesmo arquivo XML, o que aumenta o tempo de carregamento do blog e pode prejudicar no posicionamento do blog nos buscadores.

Conclusões

Para resumir, eu diria que o Blogger é mais recomendado para quem deseja criar um blog pessoal ou mesmo que pretenda criar um blog profissional, mas ainda não tem certeza de que dará continuidade no projeto. Digo isso porque a maioria dos blogueiros abandonam seus blogs nas primeiras semanas.

Se depois de uns 3 meses, ainda estiver trabalhando firme na criação de conteúdo para seu blog, recomendo que mude para o WordPress, pois as chances de ter sucesso são maiores. Se este for o seu caso, recomendo que leia o artigo “Como transferir o Blogger para o WordPress“.

Fonte: Celso Lemes/CriarSites

Nova versão do Orion traz melhorias e novos plugins

O time de desenvolvimento do Orion anunciou a nova versão da sua ferramenta web para desenvolvimento de aplicativos web, o Orion 0.3. Essa nova versão traz melhorias no editor de código, na integração com o Git e no desenvolvimento de plugins para integração com outras ferramentas.

O Orion é a aposta da Fundação Eclipse para criar um ambiente integrado de desenvolvimento (IDE) disponível na web. O objetivo do Orion é mover o desenvolvimento de sistemas para a web, trazendo a experiência já adquirida com IDEs desktop (Eclipse) para a web. A seguir estão descritas as principais melhorias implementas no Orion 0.3.

Melhorias no editor

O editor de código do Orion agora suporta a busca e substituição de conteúdo (find and replace). O usuário pode acionar a busca através da tecla de atalho Ctrl+F. Outra nova funcionalidade do editor é possibilidade de navegar em links (uma url em comentário, por exemplo) através da tecla Ctrl (ou Cmd).

O editor JavaScript não possui mais dependência para o framework Dojo, isso torna o editor mais leve e favorece o uso de outros frameworks JavaScript durante a codificação. Disponível apenas para JavaScript, por enquanto, o Orion tem a funcionalidade de exibir/ocultar (folding) blocos de comentário quando o usuário navega sob uma área demarcada no código.

Também foram implementadas melhorias na sinalização de erros e warnings. Agora o editor consegue diferenciar warnings e erros, além de apresentar o conteúdo em múltiplas linhas, com um layout mais adequado.

Novos Plugins

Foi desenvolvido um plugin para o Bugzilla, com a funcionalidade de vincular o link do bug/melhoria na descrição do commit no Git. Essa informação permanece junto ao histórico de modificações no repositório.

O desenvolvedor passa a contar com um plugin que integra o Orion com o CSSLint, uma ferramenta que analisa a qualidade do CSS. Também foi criado um plugin para o WebDAV, para a integração de arquivos hospedados no Orion com um servidor WebDAV.

Melhorias na integração com o Git

Foi adicionado suporte ao Git cherry-pick. Essa funcionalidade permite que o desenvolvedor rapidamente identifique as mudanças realizadas em um commit de outro branch.

O Orion passa a suportar o Git Rebase. O Rebase é util para sincronizar modificações realizadas em um branch remoto depois que o branch local foi definido. O desenvolvedor passar a ter mais autonomia para realizar o push de conteúdo em branches remotos. Outra novidade é o nome dos branches na página de logs do Git.

Associar uma conta do OpenID com o perfil

O usuário pode vincular uma conta OpenID com o perfil do Orion. O OpenID é um serviço de autenticação que centraliza as credencias do usuário e permite que outros sites/serviços deleguem a ele o processo de autenticação. Com essa funcionalidade, o usuário pode se autenticar no Orion utilizando uma conta do OpenID.

O Orion está disponível online através do OrionHub e para experimentar a IDE basta criar uma conta gratuita. Existe também opção de realizar o download do Orion e usá-lo localmente que, a partir dessa distribuição, conta com um servidor web embutido e permite que o serviço esteja disponível na máquina do próprio desenvolvedor.

Fonte: Eder Magalhães/InfoQ