Arquivo da tag: JavaScript Object Notation

Um olhar sobre alguns bancos de dados NoSQL

Em um artigo anterior, falei sobre o NoSQL e algumas ferramentas para serem usadas com ele. Neste artigo, daremos uma olhada no MongoDB, no Redis e no Riak.

MongoDB

O MongoDB combina o melhor dos armazenamentos chave-valor, documentos de bancos de dados, bancos de dados (ou database?) de objeto e sistemas de gerenciamento de bancos de dados relacionais (RDBMS). Isso significa que o MogoDB executa o sharding automaticamente (como com armazenamentos chave-valor), permite documentos de schema dinâmicos baseados em JSON, e oferece uma rica linguagem de query na forma de RDBMS. Além disso, o MongoDB oferece auto-sharding (o sharding de dados novos e pré-existentes é feito automaticamente) e um recurso de implementação MapReduce. Dê uma olhada mais de perto no cluster MongoDB, e você verá que ele é feito de vários tipos de servidores:

  • Servidores shard que armazenam dados
  • Servidores de configuração que armazenam a configuração
  • Servidores router que recebem e roteiam as solicitações
  • Uma thread de servidor usando MapReduce

Alguns fatos adicionais sobre MongoDB: é uma ferramenta de armazenagem distribuída orientada a documentos e usa a linguagem de implementação C++. Com o progresso do schema, documentos do tipo JSON são armazenados, e schemas dinâmicos podem ser usados. Entre as companhias que usam o MongoDB encontramos: Shutterfly, Evite e The New York Times. Impressionante! Uma das coisas bacanas das quais gosto a respeito desse produto é a existência de uma interface web bastante boa, que permite testar o MongoDB em seu browser – mas usando uma shell JavaScript.

Redis

O Redis não é um simples armazenamento chave-valor, porque suporta uma variedade de valores em diferentes estruturas de dados, tais como listas e conjuntos de binary-safe strings, bem como conjuntos ordenados, que contêm uma pontuação de números float. No ano passado, o VMWare se tornou patrocinador do Redis. Ele possui uma orientação chave-valor, e sua linguagem de implementação é ANSI C. Entretanto, o Redis não é distribuído. Sob seu schema, Redis oferece um armazenamento chave-valor, usando um nome-chave de servidor para armazenar e recuperar valores. Como MongoDB, o Redis tem uma lista impressionante de clientes – incluindo Python, Twisted Python e a nova linguagem do Google, Go. O Redis é open source, e há uma página muito bacana que oferece um tutorial Redis que permite experimentá-lo diretamente de seu browser usando JavaScript. Descubra-a em http://try.redis-db.com.

Basho Riak

Riak é um banco de dados híbrido fabricado pela BashoTecnologies, mas é baseado no Amazon Dynamo. Funciona como um banco de dados (tradução de database?) orientado para documentos, e também com um armazenamento chave-valor distribuído. É tolerante a falhas e faz escalas linearmente. É direcionado para uso em aplicativos web. Como o Cassandra, não tem um controlador central, e assim não tem um ponto único de falhas. O Riak é um armazenamento de chaves/valor plenamente distribuído, e implementa o MapReduce. O design do Riak inclui três elementos básicos: buckets, chaves e valores. Os dados são organizados em buckets, que são pouco mais do que flat namespaces para agrupar logicamente pares chave/valor. Os buckets podem armazenar os dados diretamente ou através de links para outro bucket. Todos os nós no cluster têm o mesmo papel. O sharding de dados (existentes ou novos) é feito automaticamente entre os nós. O Riak vem tanto em versão comercial quanto em versão open source. Roda em Unix, mas não em sistemas Windows. Ele é distribuído, um sistema tanto de documento quanto de armazenamento chave-valor, e sua linguagem de implementação é Erland, juntamente como alguma coisa de C e de JavaScript. O Riak tem uma estrutura simples e não usa tipos de dados específicos. Os valores associados às chaves são objetos. O Riak interage com clientes via JSON sobre a interface HTTP; tem drivers para Erlang, Python, Java, PHP, JavaScript e Ruby; e, finalmente, uma interface de cliente que suporta o Protocol Buffers, do Google. A base de clientes do Riak inclui a Comcast.

Texto original disponível em: http://blog.monitis.com/index.php/2011/06/06/a-look-at-some-nosql-databases-mongodb-redis-and-basho-riak/

Fonte: Mikayel Vardanyan/Imaster