Arquivo da tag: Designer Gráfico

A diferença entre um designer de interação e um desenvolvedor de interface

Texto original disponível em: http://asinthecity.com/2011/11/10/the-difference-between-a-ux-designer-and-ui-developer/

Fonte: IMaster

Eu recentemente me encontrei tentando explicar a diferença entre as habilidades que trago para um projeto como um designer de interação e porque não sou capaz de cumprir o papel de um desenvolvedor de interface.

Claro que existe uma sobreposição necessária entre os conjuntos de habilidades desses papéis, o que é algo bom. E alguns indivíduos têm uma cobertura maior de habilidades do que outros. No entanto, as pessoas que estão de fora desses papéis nem sempre valorizam as habilidades e os focos necessários para trabalhar em cada um deles.

Isto foi o mais simples que consegui descrever para as habilidades diferentes necessárias para cada papel:

  • Designer de interação = pesquisa + design;
  • Desenvolvedor de interface = design + HTML/ CSS/ JS;
  • Desenvolvedor de aplicações = codificação de back-end + HTML/ CSS/ JS e etc.

Por mais que eu tenha tentado evitar, acabei criando um diagrama Venn para visualizar isto:

Essas diferentes combinações de habilidades trazem com elas diferentes perspectivas e focos sob o que cada pessoa faz.

Os designers de interação combinam sua pesquisa e habilidades de design para compreender as necessidades do usuário e produzir conceitos, soluções e designs que as pessoas querem usar. Isso requer o foco nos comportamentos humanos, na psicologia e na compreensão do porquê as pessoas fazem o que fazem. São todas as coisas criativas e piegas do lado direito do cérebro. A maior parte dos designers de interação conseguem te falar o que isso deve fazer e porque, mas não conseguem de fato construir algo que funcione.

Os desenvolvedores de aplicações (o que é algo bastante abrangente e que inclui seu conjunto razoável de habilidades) constroem a funcionalidade subjacente que faz o produto funcionar. Tudo é código, lógica e o lado esquerdo do cérebro. Muitas vezes, o que ouvimos dos desenvolvedores é “eu consigo fazer funcionar, mas não vai ficar bonito”. Isos significa que eles podem criar o HTML que irá funcionar tecnicamente, mas pode não causar uma boa impressão naqueles que são influenciados pela beleza da coisa (o que significa seu usuário final normal).

Já os desenvolvedores de interface preenchem o meio de campo ao combinar tanto as sensibilidades de design, quanto as habilidades técnicas. Eles são bons em deixar algo bonito e functional em um navegador/ dispositivo ao mesmo tempo. Eles têm habilidades produtivas para fazer maravilhas com as compatibilidades dos navegadores. Isso requer uma compreensão profunda de como a renderização dos navegadores se comporta para serem capazes de implementar um design para a web que renderize corretamente e faça com que todos aqueles pixels incômodos se alinhem perfeitamente.

É claro que isso é uma grande generalização e é possível encontrar pessoas que trabalham sem fazer esforço através desses conjuntos de habilidades diferentes. Preciso ressaltar que cada pessoa tem forças e fraquezas diferentes. Meu ponto aqui é sobre os pontos em comum que definem os designers de interação, ao invés de diferenças individuais.

Existe uma velha discussão que trata dos designers terem, ou não, que saber codificar. Muitos dizem que sim. Mas as pessoas que conseguem alternar sem grandes esforços entre o foco no código e no usuário são raridades. O tipo de mente necessária para cada um deles geralmente é diferente. A maior parte das pessoas não são feitas para ambas as funções.

Destrinchando o design

Claro que essa é uma grande simplificação das quarto áreas que este diagrama cobre: pesquisa, design, HTML, e back-end. Com apenas uma onda do diagrama Venn, eu aglomerei toda a indústria de tecnologia em um círculo. Sob o risco de complicar o ponto principal deste artigo, eu sinto a necessidade de destrinchar a area do design um pouco mais, uma vez que esta é a area que quem não é designer mais luta para entender as diferenças entre as disciplinas de design e os diferentes backgrounds de onde vem os designers de interação.

Dentro do contexto do desenvolvimento de software, eu argumentaria que o desing visa primeiramente o design visual, o design de interação e o design de informação. Diz-se que a linha entre essas três disciplinas é bastante tênue e raramente é possível separá-las inteiramente (a melhor maneira de ariticulá-las que já vi foi no JJG Elements of UX, de Jesse James Garret).

Eu expandiria o meu diagrama e os papéis para incluí-los assim:

Para ir além na distinção entre os papéis:

  • Os designers de interação focam na estrutura do conteúdo, na navegação e como os usuários interagem com eles. Eles normalmente não tentam (mas podem) ser perfeitos de uma perspectiva visual. Os tipos de resultado que eles produzem incluem mapas de site, fluxos de usuário, protótipos e wireframes, que são mais focoados na estrutura subjacente e no propósito do software. A aparência visual tem impacto neles, mas pode ser criada como uma camada separada que é aplicada no topo.
  • Desenvolvedores de interface focam na maneira que a funcionalidade é exibida e nos detalhes de como os usuários interagem com a interface. Eles produzem os componentes visuais e o código front-end funcional.

O outro papel que adicionei na versão expandida do diagrama é o designer gráfico. Vale a pena afirmar que existem especialistas que tendem a trabalhar unicamente com photoshop para produzir componentes estáticos visuais. Isso começa a conversa com a area da ilustração, artes, mídia impressa e coisas mais criativas.Tradicionalmente, no web design, este era um papel separado, mas hoje nem tanto. Com o design de software a maior parte das pessoas tendem a possuir habilidades técnicas desenvolvidas para se tornar um desginer/ desenvolvedor de interface.

As diferentes disciplinas dentro do UX design podem ser expandidas para ilustrar uma figura mais compreendiva. A melhor maneira que eu já vi foi feita por Dan Saffer, em seu livro “Designing for Interaction”. Ele representa as diferentes disciplinas do designer de interação dessa maneira:

Se você começar a pensar sobre as experiências de design através de diferentes plataformas, dispositivos e contextos, então você precisa rapidamente trazer o design industrial, a arquitetura, emtre outras. Mas este é um artigo para outro dia.