Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Topo

bourne shell

21

dez
2011

Um Comentário

Em Blog
Linux

Por Allison

40 anos de evolução das shells

Em 21, dez 2011 | Um Comentário | Em Blog, Linux | Por Allison

Uma verdade que não se pode negar, ou rebater, é que as shells estão aí para ficar, mesmo que cada vez mais só nos bastidores, em modo não-interativo, ou nas mãos de usuários experientes, que apreciam seus recursos.

Mas você sabia que a shell original – o primeiro /bin/sh, escrito por Ken Thompson – surgiu há quarenta anos, em 1971 (dois anos depois do nascimento do próprio Unix) e tinha menos de 900 linhas de código? Isso porque boa parte do que hoje conhecemos como comandos builtin da shell (incluindo elementos essenciais, como o if), na época, eram apenas utilitários externos, até mesmo recursos como o glob (que “interpreta” caracteres especiais como * e ? em parâmetros correspondentes a nomes de arquivo) eram implementações à parte, e a shell era exclusivamente interativa. A capacidade de interpretar scripts veio mais tarde.

Em compensação, recurso,s como pipes (| ou, na época, ^) e redirecionamento de entrada e saída (<, >, >>, etc.) já estavam presentes.

Daí pra frente a evolução foi acelerada: Stephen Bourne criou a Bourne Shell (que ainda pode ser vista em sistemas contemporâneos) em 1977, fazendo a base do que no final da década de 1980 surgiu como o mestiço /bin/bash (Bourne Again Shell) que hoje vemos como shell default em boa parte das distribuições Linux, do OS X e de outros sistemas UNIX e Unix-like atuais.

Um livro que trata do assunto e está sendo muito comentado pelos profissionais é o Bombando o Shell, do Júlio Neves. O foco do livro está na interatividade das shells, incluindo o controle de diálogos em modo gráfico.

Com informações de BR-Linux.org

Fonte: IMasters

Tags | , , , , ,