Image Image Image Image Image
Scroll to Top

Topo

Design

08

jan
2014

Sem Comentários

Em Blog
Design
Destaques
SWX Labs

Por Vinicius AC

SWX Labs 01 – Startups

Em 08, jan 2014 | Sem Comentários | Em Blog, Design, Destaques, SWX Labs | Por Vinicius AC

capa01

Apresentamos nosso primeiro Podcast, o SWX Labs!

O SWX Labs vai abordar temas diversos ligados à Tecnologia da Informação, Negócios e Empreendedorismo.

Neste primeiro episódio iremos falar sobre Startups. Como se caracteriza, quais seus diferenciais, riscos e benefícios. Além da interação do mesmo com o mercado “tradicional” e o conceito de Startup na história.

De antemão nos desculpamos pelos erros no mesmo, mas estamos trabalhando para corrigir.

Assine o feed do nosso podcast e não perca nenhum episódio: http://feeds.feedburner.com/SWXLabs

Se preferir, também estamos no Itunes Store

Curta nosso podcast e deixe seu comentário abaixo.

Tags | , , ,

10

abr
2012

Sem Comentários

Em Blog
Design

Por Allison

Porque Devo usar um Template Gratuito no Blog?

Em 10, abr 2012 | Sem Comentários | Em Blog, Design | Por Allison

Fonte: Rogerio Gomes/WRG

Hoje entro na questão do por que muitas vezes é melhor usar um template simples e gratuito no blog do que botar na cabeça que um pago é sempre melhor.

Sim, um template pago têm suas diversas vantagens em relação a um tema gratuito, mas o contrário também prevalece, pois um tema gratuito também tem seus pontos fortes em relação ao template pago.

O Primeiro ponto é sem dúvida o Preço, afinal de contas, ele é Gratuito!

Esse, claro, é o ponto crucial já que não precisa desembolsar nada de inicio para usar o tema, nisso o jovem blogueiro economiza uma grana sem precisar ir atrás de um pago.

Em vez disso pode usar o dinheiro para registrar o domínio ou contratar um bom serviço de hospedagem, como é o caso da hostgator.

Mas porque escolher um Gratuito do que um Pago?

Existem templates gratuitos que são melhores do que um pago, e a necessidade vai depender de cada tipo de projeto. Uma coisa é fato, determinados templates gratuitos são extremamente simples e LEVES para carregar, e isso ajuda muito quando o assunto é a corrida maluca para chegar ao topo dos buscadores.

Se está começando e não tem verba para um template profissional, em vez de ficar chateado, procure pelo template mais simples (de preferência todo branco e sem recursos gráficos) e instale no blog.

Em muitos casos vale mais a pena prezar pela agilidade de carregamento e deixar o projeto mais propício para as visitas orgânicas, do que querer enfeitar com um template cheio de recursos, que se não for bem configurado pode acabar deixar o blog lento para carregar.

Analise o template do campeão do ultimo Concurso Mestre SEO!

Muitos tinham recursos, dinheiro, conhecimento e disposição para participar e te garanto, o concurso da MestreSEO deste ano foi mais pegado do que o ano passado. Ao analisar, tinha concorrência ate para brigar pela 15° página, rs, sim, isso realmente aconteceu.

Mas desde os primeiros resultados ate os últimos, o que mais eu pude observar entre os blogs era justamente o bom e velho template gratuito na maioria deles. E isso é pura e simplesmente uma questão estratégica pelo template ser simples e carregar mais rápido.

O Google adora sites que carregam rápido e não é à toa, o campeão do concurso usava um bom e velho template gratuito do wordpress.

PÔ! Mas então terá uma série de Blogs com o mesmo tema!?!

Quanto a isso, nem ligue, pois o que vai mudar para você ou para o outro blogueiro caso vocês usem o mesmo tema. Nada? Pense na formula 1, todos usam o mesmo carro na pista e o que muda? A mecânica (o jeito que o blogueiro conduz o blog) e as cores/patrocinadores (que no caso do blog seria o logo e as cores/personalizações de banners).

Na minha opinião não há o porque ficar chateado caso veja um blog com o mesmo template que o seu, ate porque, quando se compra um tema você simplesmente compra o direito de uso e não a exclusividade sobre ele, então, querendo ou não, terá uma serie de outros blogs com a mesma aparência que o seu, seja um template pago ou gratuito.

E outra, a maioria dos blogs não são notórios, ou seja, acabam recebendo poucas visitas, então, alguém, algum dia, só vai chegar em você e dizer “Puts, eu vi um blog parecido com o seu, quem copiou quem eih?”, caso o outro blog se destaque muito dos demais e o seu também.

É como se hoje surgisse um novo Neymar do Futebol em estilo, mas enquanto não aparecer outro e ser tão famoso quanto ao original não tem problema, e é por isso que existem tantas copias do neymar por ai (em estilo de cabelo, roupas), porque somente original é famoso a ponto de se destacar.

Quando você se tornar um sucesso, não importa muito se usa um template pago ou gratuito, pois lá você será sempre reconhecido como único, e caso tenha um blog mais antigo que o seu que já usava o mesmo template, é capaz das pessoas dizerem que ele te copiou (porque você é o blog de sucesso e não ele). Entende onde quero chegar com estas comparações?

Mas ate este nível, você já terá bala na agulha suficiente (dinheiro em caixa) para contratar uma agência e mandar ver na personalização do blog, então fique tranquilo que esta situação será extremamente opcional.

Antes disso faça como na formula 1!

Use o mesmo carro que os outros pilotos para ter um bom desempenho (template simples e grátis), mas foque-se na personalização de cores, pense em um logo e siga em frente rumo às atualizações diárias!

Essa deve ser sua maior preocupação no Blog!

Claro que cada projeto tem suas particularidades e tanto essa dicas como as do ótimo ponto de vista do Rhenan Cardozo, do blog RC Tutoriais lá no criar sites, “Por que não devo usar um tema gratuito”, são extremamente válidas. Cabe a você analisar e julgar qual é o melhor caminho do projeto para se destacar na rede.

Tags | , , , ,

14

mar
2012

Sem Comentários

Em Blog
Design

Por Allison

Como escolher as cores para seu site?

Em 14, mar 2012 | Sem Comentários | Em Blog, Design | Por Allison

Este é um guest post escrito por Thiago Rodrigues do blog Tudo Criativo.

Fonte: Celso Lemes/CriarSites

Você pode até não ligar, mas o esquema de cores que você escolher para o seu site é uma das decisões mais importantes que você terá que fazer.

A cor é importante porque afeta não só a sua mente, mas seu corpo também.

Por exemplo: estudos têm demonstrado que a cor vermelha pode estimular os seus sentidos, e até mesmo aumentar a sua pressão arterial. Casinos têm sido conhecidos por usar luzes de néon vermelhas porque foi dito que as pessoas jogam mais, enquanto sob o brilho de uma luz vermelha. Por outro lado, azul tende a ter o efeito oposto; Tem sido demonstrado para acalmar a mente, e relaxar o corpo.

Associação das Cores / Sentimento / Significado

Tenha em mente que essas associações não são definitivas. Experiências passadas, criação e cultura também podem alterar a forma como uma pessoa reage a uma determinada cor.

Preto: inteligência, autoridade, poder, força, estabilidade, mistério, segredo, mal, escuro, deprimente, luto;

Branco: limpo, puro, inocente, simples, neutro, chato;

Vermelho: Fogo, quente, calor, amor, paixão, entusiasmo, impulso, aventura, ação, perigo;

Azul: água, fresco, confiança, seriedade, sucesso, tranquilidade, energia, profissionalismo;

Verde: terra, grama, natureza, vida, saúde, dinheiro, lucro, paz;

Laranja: criatividade, conforto, diversão, juventude, velocidade, felicidade, perigo, alerta;

Roxo: negócios, fé, justiça, luxo, fantasia, desejo;

Amarelo: curiosidade, alegria, brincadeira, cautela;

Rosa: suavidade, doçura, amor, inocência, jovialidade, ternura.

É importante notar como as cores podem evocar emoções de ambas as extremidades, por vezes completamente opostas entre si. Por exemplo, a cor preta pode evocar emoções de poder e força, mas também pode representar o mal e a depressão. A cor laranja pode sinalizar conforto e diversão, ou do perigo e de alerta.

Como escolher as cores?

Ao escolher as cores para o seu site há muitas coisas a ter em consideração que não seja apenas a psicologia das cores:

Cores existentes: Se sua empresa já usa as cores certas, então você deve incorporá-los no site. Isso ajuda com o seu reconhecimento da marca.

Tipo de site: O tipo de site que você está criando irá influenciar fortemente na escolha das cores. Se você estiver fazendo um site para uma empresa de agricultora, então você certamente vai querer considerar tons terrosos que transmitem a ideia de natureza, e sendo natural. Verdes, azuis e marrons são escolhas perfeitas. De negócios – ou “institucionais” – sites tendem a usar azul, branco e verde para sinalizar poder, confiança, ou dinheiro.

Público-alvo: O público alvo também deve desempenhar um papel importante na seleção de cores. As pessoas mais jovens tendem a gostar de laranja, vermelho e outras cores vibrantes, enquanto os idosos, ou aqueles com problemas de visão, provavelmente vão apreciar uma paleta de cores mais neutras de branco, cinza e preto.

Combinando as cores

É importante que as cores que você escolher, trabalhem bem juntas. Usando uma combinação de cor errada, você pode transformar o seu site impossível de navegar, de ler os textos. ou pior, pode causar ao usuário um desconforto e o forçar a fechar a página imediatamente.

Uma das principais coisas a observar é a cor do texto. Você tem que ter certeza de que ele contrasta (destaca) a partir da cor de fundo. Se os usuários não podem ver o seu texto, eles não poderão lê-lo!

Dica: Para você levar um esquema de cores para o site de um cliente, ou para o seu site mesmo, comece com cinco cores: três cores “de base”, que estão relacionadas (cores que são semelhantes, ou que não muito contraste entre si), e em seguida, duas cores para usar como “destaque” que tenham contraste com as cores de base. Estas cinco cores são o ponto de partida. Você pode ajustar o brilho, matiz ou saturação de uma cor (pense verde musgo vs verde neon) para encontrar a combinação perfeita que trabalha para o seu site.

Bem, mas de qualquer forma o que vale é a criatividade e a responsabilidade. Não tenha medo de pensar fora do comum! Não existem regras que dizem que o seu site corporativo tem que ser azul marinho ou branco austero, simples e chato. Com experiência e prática, quase qualquer combinação de cores podem ser usadas em conjunto.

Tags | ,

29

fev
2012

Sem Comentários

Em Blog
Design

Por Allison

O web designer dos sonhos

Em 29, fev 2012 | Sem Comentários | Em Blog, Design | Por Allison

Fonte: Alda Rocha/IMasters

Recentemente, eu tive que recusar alguns freelas por não poder cumprir com o prazo de entrega. Sendo assim, procurei por designers freelancers para que pudesse repassar os trabalhos. Busquei pessoas que poderiam dar continuidade ao meu trabalho, mas me deparei com um problema que virou uma constante na área web design: a carência de profissionais completos.

Muita gente tem dificuldade de ver o macro e o job como um todo, o que faz com que o layout passe de mão em mão até chegar, pronto e funcional, ao navegador do usuário. Fulano só recorta, beltrano só cria e cicrano só faz o HTML e o CSS. Ao final, acabei precisando de quatro pessoas pra fazer algo que eu faria sozinha.

Qual o motivo de não termos designers completos que participam do projeto do começo ao fim? De quem é a culpa de termos layouts do tipo Frankenstein rodando por aí, com remendos e peças encaixadas sem nenhum padrão de qualidade? Bom aqui estão os culpados: o cliente e o web designer.

Cliente – quem pede:

O cliente acha que não é importante o designer participar do brainstorm, ou ter um briefing completo do que ele, cliente, quer para o layout. Ele acha que se der as peças soltas, vai ser fácil formar o quebra-cabeça. Não que seja impossível, mas não é, nem de longe, o ideal.

Quando cada profissional faz uma parte, é preciso haver uma comunicação impecável entre todos eles. Mas quando se faz um freela, isso é muito raro. Caso não haja uma boa comunicação, colocar o site para rodar pode se tornar uma experiência traumática. Acho que o cliente tem que iluminar o caminho pra o web designer para que, por exemplo, ele saiba que se fizer um botão cheio de frescura, pode complicar na hora de rodar algum aplicativo que vai ser inserido no futuro.

Saber como o layout do cliente se comporta hoje e como ele quer que se comporte no futuro é essencial pra que o web designer consiga atender as expectativas do cliente.

Web designer – quem monta e cria:

Muitos web designers não se preocupam em ter uma carreira, e a culpa de não termos fidelidade e nem continuidade pra início e fim de projetos pode ser desses profissionais que fazem o trabalho, no bom e velho português, “nas coxas”. E essa situação acaba gerando a famosa refação e faz com que o layout passe de mão em mão, na esperança de que alguém consiga fazê-lo rodar. O layout vira uma batata quente.

Esse tipo de pessoa, que só faz uma função no processo, é o designer acomodado, que fica satisfeito em apertar um parafuso, sendo que ele poderia criar o carro todo. Como ele sabe que receberá seu salário no próximo mês, está tudo bem pra ele.

Eu, particularmente, acho terrível não saber onde está se metendo e para onde aquilo vai. Projeto é como um filho; e filho não se faz pela metade! Quando trabalhamos blocado, só ajustando certas áreas, fica difícil falar que você realmente criou e fez aquele layout.

Como resolver?

Não sei ao certo qual é a solução para esse problema, já que isso requer uma comoção geral em torno do assunto – e precisaríamos, claro, de designers menos preguiçosos. Pessoas que tenham interesse em crescer na área, crescer na vida, ganhar mais conhecimento, aprender, ler mais, e ser completo para ver o macro, sem travar numa tela só, ou errar no rumo do site porque está no escuro e tem preguiça de sair dele.

Precisamos de mais gente querendo criar a máquina como um todo, do que simplesmente apertar parafusos!

Tags | , ,

16

jan
2012

Sem Comentários

Em Blog
Design

Por Allison

A diferença entre um designer de interação e um desenvolvedor de interface

Em 16, jan 2012 | Sem Comentários | Em Blog, Design | Por Allison

Texto original disponível em: http://asinthecity.com/2011/11/10/the-difference-between-a-ux-designer-and-ui-developer/

Fonte: IMaster

Eu recentemente me encontrei tentando explicar a diferença entre as habilidades que trago para um projeto como um designer de interação e porque não sou capaz de cumprir o papel de um desenvolvedor de interface.

Claro que existe uma sobreposição necessária entre os conjuntos de habilidades desses papéis, o que é algo bom. E alguns indivíduos têm uma cobertura maior de habilidades do que outros. No entanto, as pessoas que estão de fora desses papéis nem sempre valorizam as habilidades e os focos necessários para trabalhar em cada um deles.

Isto foi o mais simples que consegui descrever para as habilidades diferentes necessárias para cada papel:

  • Designer de interação = pesquisa + design;
  • Desenvolvedor de interface = design + HTML/ CSS/ JS;
  • Desenvolvedor de aplicações = codificação de back-end + HTML/ CSS/ JS e etc.

Por mais que eu tenha tentado evitar, acabei criando um diagrama Venn para visualizar isto:

Essas diferentes combinações de habilidades trazem com elas diferentes perspectivas e focos sob o que cada pessoa faz.

Os designers de interação combinam sua pesquisa e habilidades de design para compreender as necessidades do usuário e produzir conceitos, soluções e designs que as pessoas querem usar. Isso requer o foco nos comportamentos humanos, na psicologia e na compreensão do porquê as pessoas fazem o que fazem. São todas as coisas criativas e piegas do lado direito do cérebro. A maior parte dos designers de interação conseguem te falar o que isso deve fazer e porque, mas não conseguem de fato construir algo que funcione.

Os desenvolvedores de aplicações (o que é algo bastante abrangente e que inclui seu conjunto razoável de habilidades) constroem a funcionalidade subjacente que faz o produto funcionar. Tudo é código, lógica e o lado esquerdo do cérebro. Muitas vezes, o que ouvimos dos desenvolvedores é “eu consigo fazer funcionar, mas não vai ficar bonito”. Isos significa que eles podem criar o HTML que irá funcionar tecnicamente, mas pode não causar uma boa impressão naqueles que são influenciados pela beleza da coisa (o que significa seu usuário final normal).

Já os desenvolvedores de interface preenchem o meio de campo ao combinar tanto as sensibilidades de design, quanto as habilidades técnicas. Eles são bons em deixar algo bonito e functional em um navegador/ dispositivo ao mesmo tempo. Eles têm habilidades produtivas para fazer maravilhas com as compatibilidades dos navegadores. Isso requer uma compreensão profunda de como a renderização dos navegadores se comporta para serem capazes de implementar um design para a web que renderize corretamente e faça com que todos aqueles pixels incômodos se alinhem perfeitamente.

É claro que isso é uma grande generalização e é possível encontrar pessoas que trabalham sem fazer esforço através desses conjuntos de habilidades diferentes. Preciso ressaltar que cada pessoa tem forças e fraquezas diferentes. Meu ponto aqui é sobre os pontos em comum que definem os designers de interação, ao invés de diferenças individuais.

Existe uma velha discussão que trata dos designers terem, ou não, que saber codificar. Muitos dizem que sim. Mas as pessoas que conseguem alternar sem grandes esforços entre o foco no código e no usuário são raridades. O tipo de mente necessária para cada um deles geralmente é diferente. A maior parte das pessoas não são feitas para ambas as funções.

Destrinchando o design

Claro que essa é uma grande simplificação das quarto áreas que este diagrama cobre: pesquisa, design, HTML, e back-end. Com apenas uma onda do diagrama Venn, eu aglomerei toda a indústria de tecnologia em um círculo. Sob o risco de complicar o ponto principal deste artigo, eu sinto a necessidade de destrinchar a area do design um pouco mais, uma vez que esta é a area que quem não é designer mais luta para entender as diferenças entre as disciplinas de design e os diferentes backgrounds de onde vem os designers de interação.

Dentro do contexto do desenvolvimento de software, eu argumentaria que o desing visa primeiramente o design visual, o design de interação e o design de informação. Diz-se que a linha entre essas três disciplinas é bastante tênue e raramente é possível separá-las inteiramente (a melhor maneira de ariticulá-las que já vi foi no JJG Elements of UX, de Jesse James Garret).

Eu expandiria o meu diagrama e os papéis para incluí-los assim:

Para ir além na distinção entre os papéis:

  • Os designers de interação focam na estrutura do conteúdo, na navegação e como os usuários interagem com eles. Eles normalmente não tentam (mas podem) ser perfeitos de uma perspectiva visual. Os tipos de resultado que eles produzem incluem mapas de site, fluxos de usuário, protótipos e wireframes, que são mais focoados na estrutura subjacente e no propósito do software. A aparência visual tem impacto neles, mas pode ser criada como uma camada separada que é aplicada no topo.
  • Desenvolvedores de interface focam na maneira que a funcionalidade é exibida e nos detalhes de como os usuários interagem com a interface. Eles produzem os componentes visuais e o código front-end funcional.

O outro papel que adicionei na versão expandida do diagrama é o designer gráfico. Vale a pena afirmar que existem especialistas que tendem a trabalhar unicamente com photoshop para produzir componentes estáticos visuais. Isso começa a conversa com a area da ilustração, artes, mídia impressa e coisas mais criativas.Tradicionalmente, no web design, este era um papel separado, mas hoje nem tanto. Com o design de software a maior parte das pessoas tendem a possuir habilidades técnicas desenvolvidas para se tornar um desginer/ desenvolvedor de interface.

As diferentes disciplinas dentro do UX design podem ser expandidas para ilustrar uma figura mais compreendiva. A melhor maneira que eu já vi foi feita por Dan Saffer, em seu livro “Designing for Interaction”. Ele representa as diferentes disciplinas do designer de interação dessa maneira:

Se você começar a pensar sobre as experiências de design através de diferentes plataformas, dispositivos e contextos, então você precisa rapidamente trazer o design industrial, a arquitetura, emtre outras. Mas este é um artigo para outro dia.

Tags | , , ,

23

nov
2011

Sem Comentários

Em Blog
Design
HTML

Por Allison

Adobe admite: HTML5 é o futuro

Em 23, nov 2011 | Sem Comentários | Em Blog, Design, HTML | Por Allison

Após a Adobe anunciar que o Flash Player 11.1 pode ser a última versão do Flash para navegadores móveis, Mike Chambers, chefe dos desenvolvedores da Adobe, publicou uma explicação sobre o motivo que levou a empresa a tomar essa decisão.

“A decisão é parte de uma grande mudança estratégica da Adobe”, escreveu Chambers. “Uma dessas mudanças é focar no HTML5, assimm como no Adobe Creative Cloud e nos serviços que ele pode prover”.

Ele ainda listou as cinco razões principais que levou a empresa a se decidir por esse caminho:

  1. O Flash nunca ganhará muita visibilidade em dispositivos móveis, já que a Apple não quis adotar a tecnologia no iPhone e no iPad. “Não importa o que fizéssemos, que o Flash não estaria disponível no iOS da Apple”, disse ele.
  2. Entretanto, o HTML5 é onipresente. “Em dispositivos móveis, o HTML5 oferece um nível similar de presença que o Flash Player oferece ao desktop”, afirmou.
  3. Os usuários não costumam consumir conteúdo em aparelhos móveis do mesmo jeito que o fazem em desktops. As diferenças do tamanho das telas, os problemas com redes sem fio e a disseminação das lojas de aplicativos fizeram do Flash irrelevante em mobiles.
  4. Desenvolver plugins para mobile é mais desafiador do que para desktop. Isso requer mais parcerias com desenvolvedores de OS, de hardware para mobiles e de componentes manufaturados. “Desenvolver o Flash Player para mobile mostrou que é preciso muito mais recursos do que imaginávamos”, admitiu.
  5. A Adobe quis mudar mais recursos para HTML5, e liberando o Flash gratuitamente para dispositivos móveis, e que eles façam o mesmo.

Depois, Chambers assegurou aos desenvolvedorees que o Flash é seguro, e explicou que a Adobe fez um termo de compromisso com o Flash Player para desktops, que tem o foco em permitir que desenvolvedores criem aplicativos móveis através da plataforma Adobe AIR.

Ao final, Chambers disse que cada vez mais o HTML5 vai ocupar as funcionalidades do Flash. “Se um recurso Flash é bem sucedido, ele será integrado ao navegador, e se os desenvolvedores e usuários vão acessá-lo cada vez mais pelo navegador, e não pelo Flash”.

“Muitas das coisas que você já fez usando o Flash, fará com o HTML5 e o CSS3 diretamente no navegador”, concluiu.

Com informações de Mashable

Fonte: IMasters

Tags | , , , , , ,

23

nov
2011

Sem Comentários

Em Blog
Design
HTML

Por Allison

Grayscale Images Hover com HTML5 Cross Browser

Em 23, nov 2011 | Sem Comentários | Em Blog, Design, HTML | Por Allison

A um tempo atrás o blog Web Designer Wall fez mais um de seus interessantes posts mostrando como é possível criar imagens em escala cinza com JavaScript, mas especificamente com a utilização de HTML5 (Canvas). Só que como todos sabem, o Internet Explorer não tem suporte a esse tipo de feature, mas você pode contornar isso facilmente com um código prorietário da Microsoft.

Basicamente, o código é o seguinte:

1.element.style.filter = 'progid:DXImageTransform.Microsoft.BasicImage(grayScale=1)

Com isso basta você fazer uma verificação e se o user agent no momento for o IE, use esse código, caso contrário, use HTML5.

  1. Exemplos
  2. Downloads

Fonte: Pedro Rogério/PinceladasnaWeb

Tags | , , ,

23

nov
2011

Sem Comentários

Em Blog
Design

Por Allison

3 Metas Essenciais para um Layout de Qualidade

Em 23, nov 2011 | Sem Comentários | Em Blog, Design | Por Allison

Hoje nós iremos aprender um pouco sobre um Layout de qualidade, mais especificamente, 3 metas que você deve alcançar ao criar seu layout, metas que são extremamente essenciais, e que compõe um layout de qualidade. Essas três metas são básicas, e que muitos blogueiros deixam elas escapar. Foi o que fiz no meu Layout, criei um layout exclusivo que tenta seguir todas as metas com a mais perfeição, o que é bem difícil. Mas se prestar bastante atenção à essas metas, segui-las vai ser algo fácil e bastante divertido. Afinal, nosso layout deve estar perfeito em todos os detalhes, desde simples cores, até a organização e os elementos. Muito do que vou falar, eu aprendi com o grande Claudio Sanches, ele me deu um toque sobre alguns detalhes que eu nem sequer notava, Obrigado Claudio! Apesar de ser um artigo bem grande, eu bem que tentei resumir, rsrsrs.

1º – O ALINHAMENTO:

Basicamente, um layout mal alinhado é um layout mal feito. É essencial que seu layout esteja extremamente alinhado. Mas o que seria um blog alinhado? Um Layout alinhado seria, basicamente, um layout em que todos os elementos estivessem numa mesma proporção de margem, veja abaixo, o layout do nosso blog com as linhas traçadas para alinhamento:

Você pode notar que todos os elementos estão extramemente alinhados e em harmonia. O Alinhamento em si, já diz tudo. Mas o que poucos blogueiros que criam seus próprios layouts sabem é que isso é de extrema importância para um Layout de qualidade. Para você criar um projeto alinhado, primeiramente, você precisa planeja-lo aos mínimos detalhes, é muito bom fazer o projeto no photoshop, através das ferramentas dele. Crie seu layout por lá, depois é só aplicar seu conhecimento em html e css na criação de um layout real, o que, para mim, é mais fácil. O Photoshop tem uma ferramenta chamada guides, que é a que você pode ver na imagem acima, são essas linhas que traçam a imagem e denominam o alinhamento, você pode ativa-lo segurando as teclas CTRL+H, e personaliza-lo em “Edit > Preferences > Guides, Grid & Slices…”.

Também existem outras ferramentas para fazer isso facilmente, até mesmo a partir de seu próprio Navegador. Como por exemplo a “Extensão Rulers, Guides, Eye Dropper and Color Picker“. Ela também é fenomenal para ajudar a alinhar Layouts, e o melhor é que é bem leve e roda no próprio navegador, inclusive é uma das poucas extensões que uso. Pense sempre no alinhamento ao criar seu layout.

5 Dicas para ter um blog organizado

2º – A CHAMADA “MESMA LINHA DE DESIGN”:

É importantíssimo que um layout tenha a chamada “mesma linha de design”. Mas o que é a mesma linha de design? A mesma linha de design é o mesmo estilo aplicado a todos os elementos, é as mesmas cores no cabeçalho, na área de postagens, na lateral, no rodapé, nos comentários, nos menus ou no menu, em todos os elementos. Desde os mais básicos aos mais essenciais e marcantes. Por exemplo, se você usar um gradiente azul com roxo no seu cabeçalho, este mesmo gradiente, por ser extremamente marcante, deve estar em todo o blog. Se você não fizer isso, irá dar uma impressão que seu blog tem duas caras, uma no cabeçalho e outra abaixo dele. Evite também misturar gradiente com cores sólidas, isso não dá certo, ou você usa gradientes, ou você usa cores sólidas.

Se não souber fazer elementos com harmonia, use poucas cores. Nas fontes, use os mesmos tamanhos para lugares parecidos e de tamanhos idênticos. Evite chamar atenção de algum elemento do seu blog usando cores totalmente diferentes, isso causa um incômodo ao seu leitor. Há algumas semanas, eu alterei vários detalhes no meu blog, as cores eram meio que estranhas, elas entravam em conflito quando chegávamos ao rodapé, agora estão em harmonia, rsrs. O cinza entrava em conflito com o azul escuro, e o leitor se perdia nas cores e poderia até chegar à sair do site. Para seguir uma mesma linha de design, você deve saber que a sua linha de design deve ser a mais adequada, nada de seguir um padrão sem qualidade, assim você vai repetir a mesma besteira em todos os elementos. Primeiramente, defina algo bom, depois aplique em tudo.

3º – A HARMONIA ENTRE CORES:


É extremamente comum você entrar num site e se deparar com uma mistura enorme de cores, e o pior de tudo, elas não combinam, não entram em harmonia, apenas incomodam o leitor e o faz sair da página meio que assustado e frustado com todo aquele desastre visual, claro que pode usar muitas cores, mas que elas, obrigatoriamente, devem estar em harmonia e devem se adaptar ao resto do layout. Para evitar isso, você pode, simplesmente, mudar as cores do seu layout, eu criei um artigo faz algum tempo, que está no final no artigo, que fala sobre cores, e ajuda a escolher a melhor cor para seu layout. O Artigo ajudou vários blogueiros, e inclusive foi aprovado por um agregador de conteúdo. O mesmo foi criado especialmente para pessoas que tem problema com isso. Isso faz seu blog perder tráfego e isso, consequentemente, gera uma caída geral no seu blog. Não adianta você aplicar uma cor em todo o blog, sendo que ela não é uma cor adequada, não adianta você fazer do seu blog uma sopa se ninguém vai gostar disso.

Não estamos dizendo que usar cores drásticas num mesmo layout seja ruim, até que possa ser, mas se bem colocados, irão entrar em harmonia e não irão causar uma inconveniência para o leitor. É necessário que você estude um pouco sobre a cor mais adequada, siga o link que está no final do artigo, ele poderá te ajudar bastante em escolher as cores mais adequadas. Depois aplique as mesmas em todos os elementos. lembre-se que a cor está diretamente ligado ao nicho do seu blog, nada de cores fortes e pesadas em blogs profissionais e que deveriam ser simples e agradáveis. Lembre-se que tudo isso é levado em conta por cada leitor do seu blog.

Quais Cores Usar no seu Blog? – 5 Dicas que irão te Ajudar

Fonte: Iago Melanias/BlogandocomFacilidade

Tags | ,